RANGEL LIMA - Psicólogo, Coach e Palestrante

Atendimento Clínico


O QUE É?
É o atendimento realizado presencialmente no consultório, destinado a crianças, adolescentes e adultos.


COMO FUNCIONA?
Cliente e Psicólogo encontram-se semanalmente em horário previamente agendado para tratar as questões a serem acertadas.

Veja o Código de Ética Profissional do Psicólogo


TEMPO DE DURAÇÃO?
As sessões duram de 50 minutos à uma hora e o tempo de acompanhamento dependerá de cada serviço contratado ou da situação apresentada pelo cliente.


A QUEM SE DESTINA?
A todas as pessoas que buscam o crescimento pessoal ou profissional; mais saúde física e mental; autoconhecimento; eliminação de bloqueios emocionais e/ou fobias (medos); orientações sexuais; desenvolver novas habilidades e atitudes; melhorar comportamentos ou relacionamentos amorosos e/ou profissionais; criar novos hábitos; supressão de vícios; orientações profissionais; tratar transtornos de humor, do sono, entre outras psicopatologias.


SERVIÇOS
Clique nos títulos abaixo para ver detalhes.


O objetivo da psicoterapia é promover o crescimento e o desenvolvimento da personalidade através de um processo terapêutico de análise das emoções e comportamentos do individuo. O foco principal da psicoterapia está em como os problemas (atuais ou não) interferem na sua vida diária, ajudando o cliente a entender esses problemas e a desenvolver maneiras mais eficazes para lidar com eles.

A quem se destina? A todas as pessoas que buscam melhorar ou desenvolver sua vida pessoal e profissional.

Metodologia de trabalho: nesse método, cliente e psicólogo interagem através de diálogos, perguntas, análises e reflexões sobre questões conscientes ou não, a fim de fazer ou pensar sobre certos acontecimentos entre as sessões e/ou sugerir algumas mudanças de comportamento. As sessões têm duração de 50 minutos, e podem ocorrer semanalmente ou quinzenalmente, dependendo das necessidades de cada cliente.

Algumas razões específicas para procurar a psicoterapia: querer fazer mudanças positivas em sua vida; dificuldades com relacionamentos; desempenho no trabalho, escola ou faculdade; querer fazer uma revisão de sua vida; problemas de comunicação; traumas por sequestro, assalto ou estupro; ansiedade; pânico; fobias; estresse; abuso físico, sexual ou emocional; isolamento, solidão e depressão; perdas ou luto; medo do futuro; transtornos alimentares; dificuldades sexuais; falta de confiança, mudanças na carreira; ciúmes; problemas conjugais; obsessões, manias e compulsões; crise de transição de vida; indecisão ou dificuldade para tomar decisões; falta de motivação; questões sobre orientação sexual; problemas de identidade e personalidade; questões de auto-estima, entre outros.

O Psicodiagnóstico é uma avaliação das funções cognitivas, emocionais e comportamentais, realizada a partir de técnicas e testes psicológicos junto ao paciente e/ou familiares, com o objetivo de conhecer o funcionamento psíquico do indivíduo. É utilizado para identificar distúrbios emocionais e problemas de conduta de crianças, adolescentes e adultos e sugerir o tipo de intervenção terapêutica.
A avaliação psicológica é um processo técnico e científico realizado com pessoas ou grupos de pessoas através de entrevistas e testes (psicrométricos e projetivos) que, de acordo com cada área do conhecimento, requer metodologias específicas.

Ela é dinâmica e constitui-se em fonte de informações de caráter explicativo sobre os fenômenos psicológicos, com a finalidade de subsidiar os trabalhos nos diferentes campos de atuação do psicólogo, dentre eles, saúde, educação, trabalho e outros setores em que ela se fizer necessária. Trata-se de um estudo que requer um planejamento prévio e cuidadoso, de acordo com a demanda e os fins aos quais a avaliação destina-se.
É o processo pelo qual, por intermédio de métodos e técnicas psicológicas, investigam-se os interesses, aptidões e características de personalidade do consultante, visando proporcionar-lhe condições para a escolha de uma profissão. Atualmente, a exigência do mercado de trabalho nos solicita segurança e determinação.

O jovem sofre as conseqüências desta pressão em suas escolhas e a maior delas é a profissional. Assim a orientação vocacional se dispõe a orientar este momento de opção de forma a levar a reflexão e a consciência de suas aptidões e interesses enquanto ser humano, proporcionando maior segurança e responsabilidade neste momento e para toda vida.

Auxilia os graduados que estejam com dúvidas em relação às áreas a serem seguidas dentro do seu curso de graduação, como por exemplo, a escolha de uma pós-graduação ou carreira profissional, bem como profissionais que buscam uma re-orientação na sua carreira ou na preparação para sua aposentadoria.
A hipnose clínica é uma ciência comprovada para o estudo e tratamento de problemas físicos e psicológicos. A hipnose pode ser definida como um estado alterado de consciência ou percepção. Em termos simples, a hipnose é um estado de profundo relaxamento no qual o consciente e o inconsciente do cliente podem ser focalizados por ficarem mais receptivos à sugestão terapêutica.

Quase todo mundo já experimentou alguma forma de hipnose em algum momento da sua vida. Pense numa vez em que você dirigia em uma estrada e se pegou, por um breve momento, inconsciente daquilo que estava fazendo, ou uma vez em que estava tão envolvido em um programa de televisão que nem se deu conta quando alguém entrou na sala. A rigor, toda hipnose é na verdade, uma auto-hipnose, pois o cliente controla o processo e o terapeuta é apena um guia. Não há nada a temer, porque a hipnose é um processo completamente seguro quando é usada profissionalmente.

O relaxamento que você vai experimentar será agradável e regenerador. A hipnose oferece inúmeras aplicações e ganha a cada dia mais espaço e mais credibilidade. A hipnose abarca desde as doenças de uma forma geral, como: depressão, síndrome do pânico, stress e ansiedade, como os problemas de auto-estima, insegurança, perfeccionismo, medo de errar, medo de falar em público, preparação para avaliações, concursos, dificuldades relacionadas à aprendizagem e memória, além do controle, eliminação ou diminuição das diferentes dores.

Seu principal objetivo e eliminar bloqueios, tornar a pessoa mais consciente para acessar todos os seus recursos e potencialidades. Ver mais: “Perguntas Frequentes”.
A regressão de memória é a busca em seus arquivos de memória, de situações traumáticas que vivem em nosso inconsciente, dando origem a distúrbios físicos ou comportamento emocional inadequado que a pessoa tende a repetir mesmo que, conscientemente, não o deseje. Na regressão não há somente a lembrança do fato traumático, mas, principalmente, a sua vivência, que é a maneira mais efetiva de conseguirmos modificar as gravações que dele derivam e nos acompanham, dificultando o nosso desenvolvimento.

O objetivo principal é buscar estas situações primárias que, uma vez conscientizadas e vivenciadas, perdem sua intensidade de atuação sobre o indivíduo. Para que a pessoa possa se liberar das conseqüências desagradáveis resultantes desta situação traumática original. Todo comportamento inadequado, seja ele físico (doença psicossomática) ou emocional é resultante de uma defesa estruturada realizada sem o concurso da razão.

Desta forma, o método busca capacitar o indivíduo para ser livre para escolher racionalmente o comportamento que realmente lhe convém. Quando fazer regressão? Sempre que detectamos em nós, comportamentos repetitivos indesejáveis, sem causa lógica, que se impõe de uma maneira praticamente incontrolável, assim como: medo, irritabilidade, dificuldade de desempenho diante de situações específicas, etc.

Em resumo, quando a nossa reação não apresenta um fundamento lógico e real aparente, causando problemas de relacionamento e atuação desajustadas no ambiente em que vivemos, dificultando o nosso aprendizado, crescimento e desenvolvimento.
O psicólogo ajuda os parceiros a identificarem os pontos de conflito dentro da relação e a determinar quais as mudanças desejáveis, sejam no modo de se relacionar, sejam mudanças individuais. Na psicoterapia de casais trabalha-se para descobrir onde as coisas estão indo mal e procurar modos de melhorar. Não é uma fórmula mágica que irá "consertar" as coisas, mas um canal para o casal entender melhor suas dificuldades e trabalhar em cima delas.

O objetivo é o desenvolvimento da relação através da mudança de mentalidade e comportamento. Nesse tipo de orientação, há componentes de mediação, componentes educacionais e de psicoterapia individual envolvidos, dependendo das dificuldades específicas enfrentadas. O casal torna-se ciente de pontos de vista e modos de interagir e de se comunicar destrutivos para tentar modificá-los. A orientação pode ser realizada de forma individual ou com a presença de ambos. Motivos mais frequentes para procurar terapia de casal: traição sexual ou emocional, brigas em excesso, transtornos de sexualidade, ciúme e desconfiança, falta de comprometimento de uma das partes, dificuldades na comunicação e relacionamento conjugal, entre outros.
Neuropsicologia é a ciência que estuda a relação entre o cérebro e o comportamento humana. A avaliação neuropsicológica busca investigar quais as funções cognitivas que estão preservadas e as que estão comprometidas.

Através do uso de instrumentos (testes, baterias, escalas) padronizados para avaliação das funções cognitivas, o neuropsicólogo irá pesquisar o desempenho de habilidades como atenção, percepção, linguagem, raciocínio, abstração, memória, aprendizagem, processamento da informação, visuoconstrução, afeto, habilidades motoras e executivas.

A avaliação neuropsicológica tem por objetivo poder coletar os dados clínicos para auxiliar na compreensão da extensão das perdas e explorar os pontos intactos que cada patologia provoca no sistema nervoso central de cada paciente.

A partir desta avaliação neuropsicológica é possível estabelecer tipos de intervenção, de reabilitação particular e específica para indivíduos e/ou grupos de pacientes com disfunções adquiridas, genéticas, primariamente neurológicas ou secundariamente a outros distúrbios.


topo