RANGEL LIMA - Psicólogo, Coach e Palestrante

Artigos



Como Desenvolver a Inteligência Emocional da Organização

12/06/2020

Desenvolver a inteligência emocional sua e da sua equipe é essencial para o sucesso. Agora, se você quiser ir mais longe é preciso desenvolver a da sua organização. Mas se a organização não é uma pessoa, como fazer isso? 
 
Para desenvolvermos o QE, que é o quociente emocional, tudo depende do pessoal. O QE de uma organização resulta da inteligência emocional de seus principais líderes. Se a alta liderança não tiver inteligência emocional, será preciso conscientizá-los do valor do QE. É um processo de educação e persuasão.
 
Felizmente, há muitos dados sobre as vantagens da inteligência emocional, e várias empresas divulgaram o retorno do investimento observado. Não faça esse processo sozinho. Trabalhe com outras pessoas emocionalmente inteligentes para transmitir essa mensagem. 
 
Crie estratégias de como e quando aumentar a conscientização, atentando-se aos problemas das mudanças já discutidos. Pode demorar, mas você conseguirá uma justificativa sólida das vantagens de aumentar a inteligência emocional na organização. Com sorte, os altos executivos possuem QE elevado e dedicam-se a liderar com inteligência emocional, estimulando-a na organização.
 
Havendo aceitação no alto escalão, seu foco será avaliar onde a organização precisa melhorar. Em qualquer situação, as seguintes estratégias ajudam a justificar a preocupação com a inteligência emocional. 
 
Primeiro: identifique as áreas que requerem atenção. Avalie sua organização em cada competência. Busque materiais ou exercícios para você usar. Talvez sua organização enfrente conflitos ou possa valorizar mais a diversidade. Pode haver líderes precisando desenvolver alguma competência. O objetivo é analisar honestamente o que não está funcionando para tentar melhorar. Então, apresente um plano para aumentar o QE da organização. 
 
Concentre-se nas áreas identificadas e planeje ações para resolver os problemas. Analise como treinamentos e orientação podem ajudar a ampliar as competências pessoais e relacionais. Sua proposta será mais sólida se encontrar dados que embasem suas análises e calcular o retorno do investimento ao implementar suas ideias. Una-se a outros líderes emocionalmente inteligentes para alavancar a proposta. Ter os apoiadores certos faz uma grande diferença para gerar as mudanças necessárias. 
Terceiro: retrate a situação antes de executar o plano. Isso servirá de base para monitorar os progressos. Reúna informações sobre os problemas que está enfrentando. Assim, é possível demonstrar os resultados das iniciativas. 
 
Quarto: faça uma coisa por vez. É tentador realizar grandes mudanças simultaneamente. Embora certamente gere mudanças, fica mais difícil saber qual delas trouxe melhores resultados. Seja estratégico ao definir a sequência, mas faça uma por vez. Você ganhará mais credibilidade se conseguir demonstrar bons resultados com confiança, impulsionando a próxima etapa do plano. 
 
Finalizando, demonstre as conquistas com números e histórias. Reúna evidências com casos e dados quantitativos para mostrar os resultados. É mais eficaz combiná-los. Apresente dados estatísticos e, então, uma citação ou uma história verídica. As pessoas se ligam naturalmente às experiências humanas. Usar histórias ajuda a dar vida ao seu sucesso. 
 
O mundo precisa de líderes com inteligência emocional. E o sucesso das organizações depende do sucesso das pessoas. Invista em você, invista na sua equipe e trabalhe para aumentar a inteligência emocional na sua organização, vale a pena.
 
E se você quer saber mais sobre esse assunto, CLIQUE AQUI e conheça o programa de Gestão e Inteligência Emocional que vai ajudar você a ser um expert em relações humanas e ajudar a desenvolver a inteligência emocional da sua organização.

Autoria: Rangel Lima - Psicólogo, Mentor e Master Coach






topo