Website:
 
Siga-nos:
Líderes Eficientes, Equipes Vencedoras
15
Mar
2018
Conheça as principais etapas do processo de mudança comportamental e desenvolvimento de liderança




A medida que as organizações precisam aprender a lidar com mudanças cada vez mais rápidas, as equipes vão se tornando cada vez mais importantes. A medida que o estilo de liderança tradicional, hierárquico, perde importância, um novo estilo de liderança de equipes em rede vem ocupando o seu lugar. Os líderes se veem como membros de tudo quanto é tipo de equipes, incluindo equipes virtuais, equipes autônomas, equipes multifuncionais, entre outras.
 
Muitos dos líderes atuais enfrentam um dilema: enquanto a necessidade de montar equipes eficazes vem crescendo, o tempo disponível para a formação dessas equipes vem diminuindo. E um desafio comum enfrentado por estes líderes é a necessidade de montar equipes em ambientes de mudanças rápidas com recursos limitados. O processo de reengenharia e racionalização, quando conjugado com o aumento da demanda por serviços, leva a uma situação em que a maioria dos líderes tem mais trabalho a fazer e cada vez menos funcionários para ajudar a fazer.
 
Pesquisas envolvendo milhares de participantes mostrou que feedback e acompanhamento focados podem aumentar a eficácia da liderança - conforme a avaliação de subordinados diretos e de colegas de trabalho (Goldsmith e Morgan, 2004). Uma abordagem alternativa para a formação de equipes que tem ajudado líderes a fortalecer o trabalho em equipe sem perda de tempo é o processo de Coaching Executivo.
 
Para implementar com sucesso esse processo de montagem e fortalecimento de equipe, o líder terá de assumir o papel de coach ou facilitador, e lutar contra o impulso de agir como “chefe” ou “instrutor”. Mais melhorias no trabalho em equipe tendem a ocorrer quando os membros da equipe desenvolvem as suas próprias estratégias de mudança de comportamento, em vez de apenas executarem a estratégia de mudança imposta a eles pelo “chefe”.
 
Fatores de Sucesso

A variável-chave para a mudança bem-sucedida de comportamento de liderança não é o coach (trainer ou orientador). As variáveis que determinam o progresso a longo prazo dos executivos que fazem coaching, são os próprios líderes e seus colegas de trabalho. Conheça as principais etapas do processo de mudança comportamental e desenvolvimento de liderança através do processo de coaching:
 
1) Envolva o treinando na definição do comportamento desejado (em seus papéis de liderança). Não se pode esperar que um líder mude seu comportamento se ele (ou ela) não têm uma compreensão clara de como deve ser o comportamento desejado
 
2) Qualifique o cliente (coachee que fará o processo). Jamais devemos trabalhar com líderes que não estão motivados a mudar. O ideal e trabalhar somente com os profissionais que estão dispostos a fazer um esforço sincero de mudança e que acreditam que essa mudança irá ajudá-los a se tornar líderes melhores.
3) Inclua o treinando na definição dos superiores interessados. Não só o cliente precisa ter uma compreensão clara do comportamento desejado, como também precisa ter clareza sobre quais serão os superiores interessados. Estando o cliente e seus superiores concordando, com antecedência, sobre o comportamento desejado e quais superiores interessados se envolverão no processo, ajuda a garantir que o processo será “comprado” por todos.
 
4) Reúna avaliações e forneça feedforward (ideias e orientações para o profissional visando o aperfeiçoamento de competências). É importante entrevistar todos os superiores interessados para obter um feedforward confidencial para os clientes.
 
5) Defina quais os comportamentos-chave para a mudança. Recomenda-se que cada cliente escolha uma única área-chave para mudança de comportamento. Isso ajuda a investir o máximo de atenção no comportamento mais importante.
 
6) Incentive os clientes de coaching respondendo aos superiores interessados. O colchee a ser treinado deve conversar com cada stakeholder (pessoas interessadas) e recolher sugestões feedforward adicionais sobre como melhorar na área-chave definida para a melhoria. Os envolvidos devem manter uma conversa positiva, simples, e focada.
 
7) Reveja o que foi aprendido e ajude o cliente a montar um plano de ação. Estes planos têm de vir deles, não do coach. Depois de rever seus planos, deve-se incentiva-lo a viver de acordo com seus próprios compromissos. O coach deve atuar como um facilitador e não como um juiz. O trabalho do coach é ajudar os profissionais de topo, altamente motivados, a ficar melhores no que acreditam ser importante - sem dizer-lhes o quê ou como mudar.
 
8) Desenvolva um processo de acompanhamento contínuo. O acompanhamento deve ser eficiente e focado. Ajude o coachee a manter o foco no futuro fazendo uso de perguntas como: “Com base no seu comportamento no mês passado, quais ideias você tem para o próximo mês?”
 
9) Analise os resultados e comece de novo. Se o líder que está sendo treinado levou o processo a sério, os superiores interessados, quase invariavelmente, relatam melhoras. Então, construa sobre esse sucesso, repetindo o processo pelos próximos 6 a 12 meses. Este tipo de follow-up (acompanhamento) assegura um progresso contínuo das metas iniciais e descortina áreas adicionais de melhoria.
 
10) Finalize o processo formal de treinamento quando os resultados forem alcançados. Nosso objetivo não é criar uma relação de dependência entre o coach e o cliente.
 
Por que esse processo funciona?
 
O processo descrito acima funciona por ser altamente focado e disciplinado, por incluir feedback, feedforward e acompanhamento, não perder tempo, e motivar todos os membros da equipe a centrarem esforços no seu desenvolvimento pessoal. O processo também funciona porque fornece feedback e reforço contínuos. Uma razão final para o funcionamento do processo é que ele incentiva os participantes a se concentrarem em seu auto aperfeiçoamento.
 
Como afirma Jack Welch (CEO da General Eletric), “no futuro, todos os líderes serão coaches, quem não desenvolver essa habilidade será automaticamente descartado pelo mercado. ”
 
Experimente! O “risco” é mínimo. O processo é rápido e logo nos primeiros meses já vai evidenciar o progresso. O “ganho” pode ser muito alto. Com o trabalho eficaz em equipe se tornando cada dia mais necessário, o pouco tempo que você investe neste processo pode produzir um grande retorno para você, para a sua equipe, e um ainda maior para a sua organização.

Confira o vídeo




Fonte: Rangel Lima - Psicólogo e Master Coach


Comentar